O ano de 2019 acabou e foi marcado por diversas coisas, tanto boas, quanto ruins. Tivemos um grande avanço tecnológico, descobrimento de novos lugares e coisas, que nos ajudam compreender o passado. Mas tragédias e destruições marcaram esse ano. Mas agora tudo isso ficou para trás e temos que nos concentrar no novo ano que começou.

Ao longo da história, vários cientistas, futurólogos e videntes fizeram previsões de como seriam os anos que viriam. Algumas dessas previsões até estavam certas. Mas as para 2020 foram totalmente erradas. Os avanços científicos foram muitos, mas ainda não estamos onde as previsões diziam que estaríamos. Mostramos aqui algumas dessas previsões errôneas para 2020.

1 – Revolução robótica

Pensar que os robôs tomariam os empregos dos humanos não é uma preocupação nova e exclusiva de 2020. Em 2006 um artigo da Universidade Elon disse: “futuristas e especialistas em tecnologia dizem que robôs e inteligência artificial de vários tipos se tornarão parte aceita da vida cotidiana até 2020 e assumirão quase completamente o trabalho físico”.

E em 2005, Ian Person, um futurologista, disse: “é minha conclusão que é possível criar um computador consciente com níveis de inteligência sobre-humanos antes de 2020. Definitivamente teria emoções. Se estou em um avião, quero que o computador tenha mais medo de cair do que eu, de modo que faz de tudo para ficar no ar”.

Claro que os robôs que temos atualmente ainda não chegaram nem perto dessa inteligência toda. E com relação à questão dos trabalhos, os robôs ainda não tomaram todos os empregos dos humanos. Mas é claro que já existem fábricas totalmente robotizadas. De acordo com uma busca feita pelo MIT Technology Review, os graus de preocupação com essa automação são variados.

2 – Eletrônicos implantáveis

Em 2009, Person também previu que em 2020 os humanos já estariam usando eletrônicos implantados nos corpos para monitorar a saúde. De acordo com ele, esses dispositivos conseguiriam “registrar sinais a partir de nossos nervos e talvez os “injetar” na nossa pele novamente em uma data posterior”.

Mesmo que essa tecnologia não exista ainda, Person disse que ela não é difícil de ser criada. “Pudemos ver como fazer isso há quase 20 anos, mas não aconteceu porque poucos engenheiros ou empresas decidiram se aprofundar nessas áreas”, afirmou.

Ray Kurzwell, outro futurista, previu que em 2020 os computadores seriam praticamente invisíveis e embutidos em todos os lugares. Como por exemplo, paredes, mesas, cadeiras, mesas e outras coisas. Ele também previu óculos inteligentes e lentes de contato que substituíssem telefones.

3 – Alimentação

Uma das previsões de Kurzwell era que até 2020 o consumo de alimentos acabaria. “Bilhões de nanobots minúsculos no trato digestivo e na corrente sanguínea poderiam extrair inteligentemente os nutrientes de que precisamos”, escreveu em seu livro Fantastic Voyage: Live Long Enough to Live Forever.

Claramente essa previsão não aconteceu. Já que os humanos estão longe de precisar não mastigar e comer. Uma previsão que ficou mais perto da realidade foi feita pelo então presidente da American Meat Packers Association.

O texto dele, publicado em 1913 no New York Times, alertava que os americanos tinham que renunciar à carne e começariam a viver de arroz e legumes no século XXI.

4 – Votos

Em 1997, Peter Schwartz e Peter Leyden  previram em seu artigo que as pessoas poderiam votar nas eleições do conforto de sua casa. Obviamente não é uma realidade. E em 200, Eric Hasltine escreveu na revista Discover que as assinaturas das pessoas seriam consideradas estranhas até 2020. E elas seriam substituídas por identificações biométricas como íris, impressões digitais e reconhecimento de voz.

Os smartphones usam essas tecnologias, mas as assinaturas das pessoas ainda não foram totalmente substituídas. Outra previsão foi feita por Joseph D”Agnese, que disse que as pessoas não conseguiriam entrar em um avião ou em suas casas sem que as irises fossem medidas.

5 – Turismo espacial

Dizer que as pessoas irão passar férias ou viajar para o espaço no futuro é uma coisa já recorrente. E obviamente ainda longe de se tornar uma realidade. Ninguém está indo passar uma temporada na lua e voltando.

Em 2009, Eric Anderson disse: “em 2020, você verá cidadãos circunvagando a lua”. E até mesmo Elon Musk, fundador da SpaceX, disse que “até 2020 haverá planos sérios para ir a Marte com pessoas”.

Claro que com a tecnologia a possibilidade de um turismo espacial avançou. Mas ainda não foi concretizado. E por mais que essa decolagem ainda não tenha acontecido, talvez não  demore tanto assim. De acordo com a SpaceX, o bilionário Yusaku Maezawa será o primeiro turista espacial em uma viagem marcada para 2023.

6 – Outro mundo

As outras previsões podem ter sido erradas, mas ainda assim tem uma linha que pode ser realmente verdade em um futuro ainda mais distante. Mas os 82 especialistas de vários campos erraram mais em suas previsões feitas em 1964.

De acordo com um relatório, os humanos se comunicariam com extraterrestres viajando no tempo agora. A expectativa de vida seria de 150 anos, e Marte seria um destino turístico que estaríamos frequentando desde a década de 1980. Além disso, formas primitivas de vida seriam criadas em laboratório, uma linguagem universal teria sido desenvolvida e a mineração de materiais na lua seria comum.

E a previsão mais assustadora seria a de que os humanos teriam animais, como macacos, para fazer todas as tarefas domésticas até 2020. E Glenn T. Seaborg, químico ganhador do Prêmio Nobel, disse que “durante o século 21, as casas que não têm um robô no armário poderiam ter um macaco vivo para fazer as tarefas de limpeza e jardinagem. Além disso, o uso de macacos bem treinados como motoristas pode diminuir o número de acidentes de automóvel”.

Deixe uma resposta