Inicialmente surgida como uma série de videogames, Castlevania ganhou uma adaptação homônima pela Netflix em 2017. Surpreendentemente, a recepção foi bastante positiva, sendo uma das séries digitais mais assistidas do mundo nesse período. Além disso, a crítica especializada elogiou o visual da animação, descrevendo-o como “espetacular” e garantiu que a narrativa foi adaptada de uma forma muito convincente. Como resultado disso, posteriormente a série animada foi renovada e, atualmente, já se encontra em sua terceira temporada. Então, aproveitando a deixa, o Screen Rant resolveu apontar algumas das principais mudanças que a série da Netflix fez nos personagens originalmente conhecidos pelos jogos. Você pode conferir as pontuações logo abaixo.

9 – Sypha Belnades

Quando essa personagem foi introduzido nos jogos, os players ficaram um pouco confusos. Além disso, a utilização de pronomes levou algumas pessoas a pensar que Sypha era uma figura masculina e isso até foi mencionado em sua apresentação na série da Netflix. Na produção, Trevor chega a fazer um comentário sobre o visual andrógino da feiticeira quando ela se liberta do ciclope. Quanto às mudanças: a grafia do nome da personagem é alterada de Syfa para Sypha e seus longos cabelos loiros se tornaram curtos. Em suma, a maioria das alterações foram estéticas. Tirando isso, Sypha permaneceu sendo uma poderosa maga e aliada da família Belmont.

8 – Trevor Belmont

Os jogos são repletos de Belmonts. Enquanto vemos uma menção rápida à Leon na segunda temporada, sentimos falta de Juste e Simon na série. No entanto, contamos com Trevor na maior parte do tempo e ele não difere muito de sua versão nos jogos. Contudo, a produção da gigante do streaming elaborou uma história de fundo original para o personagem. Antes de investir na luta contra Drácula, o Belmont vagou por décadas, apenas se embebedando. Embora isso torne Trevor muito mais interessante na série, não teria muita utilidade nos games.

7 – Carmilla

Embora mantenha sua aparência elegante e a personalidade feroz, a série desviou um pouco as motivações da Carmilla que vemos nos jogos. Enquanto nos games a personagem se mantém leal à Drácula, atuando como sua general inabalável, na produção animada ela é apresentada como uma das principais antagonistas e é tão ardilosa e cruel quanto seu colega vampiro. Além disso, ao invés de se manter fiel ao Drácula, a série mostra Carmilla tirando proveito de sua instabilidade para tentar tomar seu trono. Por fim, outra diferença significativa é que, enquanto na série ela aprisiona Hector, nos jogos o forjador de demônios age por conta própria.

6 – Saint Germain

Até o momento, a única semelhança do Saint Germain da série com sua versão nos jogos é o nome. Embora exista o tal do “corredor infinito” que pode incluir viagens no tempo, se relacionando com a figura dos games, não temos certeza ainda. Contudo, em ambas as mídias, Saint Germain veste roupas diferentes dos demais personagens da narrativa, denotando um status social mais elevado ou uma origem estrangeira. Visto que esse personagem é um tanto quanto misterioso, ainda há muito que não sabemos sobre ele. Esperamos que isso mude na quarta temporada.

5 – Alucard

Enquanto nos games de Castlevania, Alucard se interna em sua cripta após a morte de Drácula, na série animada ele permanece acordado após matar o vampiro. Ao passo que, nos jogos, personagem almejava sufocar o poder de sua linhagem, foi bom vê-lo preservando os restos de Belmont Hold na série. Aliás, não podemos deixar a impressionante loja de conhecimento científico de seu pai de fora.

4 – Drácula

Ao contrário da maioria dos nomes nessa lista, Drácula tem uma reputação que o precede. Sendo, provavelmente, um dos personagens mais famosos da cultura pop, o vampiro dá credibilidade à narrativa de Castlevania. Em suma, a história de fundo de Drácula é a mesma nos jogos e na série. Todavia, a última conta com muito mais detalhes e, por isso, obtém mais sucesso em conquistar simpatia para o personagem. Ao passo que o espectador vê com mais atenção o desespero e o desgosto do Drácula, notamos certa relutância em condená-lo quando seus sentimentos se transformam em uma fúria assassina. Isso é essencial para tornar a adaptação do videogame mais interessante na tela.

3 – Hector

Existem algumas diferenças óbvias entre Hector nos games e sua versão na série da Netflix. Pra começar, nos jogos, Hector deixa Drácula por conta própria depois de se cansar de matar humanos. Então, sua traição não tem nada a ver com Carmilla. Além disso, ele se volta contra Isaac após o mesmo matar sua esposa. Em contrapartida, na série, Hector se mostra bastante ineficaz e um mero fantoche de Carmilla.

2 – Lisa Tepes

Lisa, provavelmente, tem a narrativa mais simbólica dessa lista. Enquanto nos videogames ela é retratada como Maria, a Mãe de Jesus, a série da Netflix vai além, comparando-a ao próprio Jesus. Assim como Cristo, ela era uma inocente que foi condenada à morte por uma população ignorante. Embora os métodos de execução variem de acordo com a mídia, passando de crucificação e espancamento à incineração, o simbolismo permanece o mesmo. Até mesmo suas palavras “eles não sabem o que estão fazendo”, são semelhantes ao que Jesus disse na cruz. Além disso, enquanto nos jogos ela não aparece, na série ela assume um papel central.

1 – Isaac

Ao contrário de seu colega, Hector, Isaac permanece com o mesmo papel tanto nos jogos quanto na série. Logo, o vemos como um antagonista leal à Drácula e oposto à Hector. Até mesmo sua propensão à autoflagelação foi mantida em ambas as mídias. Contudo, assim como Sypha, sua aparência na série difere daquela que vemos nos jogos. Ao contrário de seu visual ruivo e magro nos jogos, o Isaac da Netflix é careca e afrodescendente. Além disso, sua irmã, Julia, parece não existir na animação.

Deixe uma resposta