Como uma foto postada no Facebook poderia solucionar um crime no Canadá? Cheyenne Rose Antoine, de 21 anos, foi condenada à sete anos de prisão por homicídio culposo por ter matado a amiga Brittney Gargol, de 18 anos. O crime ocorreu em 2015, mas só em 2018 foi solucionado.

A princípio Cheyenne teria dito aos policiais que era inocente. O mais curioso disso tudo é que a polícia concluiu que ela era a assassina depois de verificar uma selfie que ela postou com a vítima. A selfie inclusive entregava a arma do crime. Ficou curioso para saber como tudo isso aconteceu? A gente conta com os mínimos detalhes.

Uma selfie com as provas do crime

A assassina achou que tinha cometido um crime perfeito, mas estava enganada. Cheyenne publicou uma selfie horas antes de matar a amiga. Na imagem, ela aparece usando o mesmo cinto que foi encontrado ao lado do corpo da vítima na cena do crime. Gargol foi estrangulada até à morte e foi encontrada em um aterro em Saskatoon, na província de Saskatchewan, com o cinto de Cheyenne ao lado.

Inicialmente, Cheyenne disse que ela e a amiga beberam em vários bares e que depois disso Gargol foi sair com um homem não identificado. Enquanto isso, Cheyenne iria ver um tio. O problema é que a história não batia.

Foi então que os policiais resolveram ver as postagens do Facebook da garota para tentar reconstituir a movimentação das amigas na noite do crime. Eles viram que uma mensagem de Cheyenne para Gargol, na manhã seguinte, era uma forma de despistar o crime. Ela disse o seguinte: “Cadê você? Não deu mais notícias. Espero que tenha chegado bem em casa”.

A confissão

Cheyenne se declarou culpada do crime, mas afirmou não se lembrar de matar amiga. Segundo ela, as duas estavam bêbadas e tinham fumando maconha quando começaram a ter uma discussão. Ela disse o seguinte em relação ao crime: “Eu nunca me perdoarei. Nada que eu diga ou faça trará ela de volta. Eu lamento muito, muito… Isso não deveria ter acontecido”.

O advogado de Cheyenne disse que ela foi à polícia um mês antes do crime para denunciar maus-tratos vindos dos pais adotivos e que ela teria sofrido abusos similares no abrigo para crianças onde viveu. A família de Gargol se manifestou no julgamento: “Não conseguimos deixar de pensar em Brittney, no que aconteceu naquela noite, no que ela deve ter sentido lutando por sua vida”, disse Jennifer Gargol, tia dela, no tribunal.

Fonte

Deixe uma resposta