O crime organizado conta, já no próprio nome, com aquilo que muitas vezes falta ao Estado: organização. Seus membros são profissionais do desrespeito à lei e da violência. Seguem a hierarquia existente e as cruéis regras do jogo – ou pagam com a vida. Mais que em qualquer outra atividade, cabe o velho ditado: manda quem pode, obedece quem tem juízo.

As imagens abaixo, são de um morro carioca (veja o vídeo no final da matéria).

Repare bem nas pessoas que protagonizam as cenas deste pequeno filme.

Observe atentamente, que as pessoas, na sua grande maioria, certamente não possuem 30 anos, inclusive crianças participam.

Neste lugar, eles dançam, cantam algo que ninguém sabe o que é, atiram a esmo, e tudo parece ter um AR MÁGICO DE SUPERIORIDADE.

Pois bem, este o Brasil que foi construído nos anos de FHC, Lula, Dilma e Temer.

30 anos de bandidagem exposta para a sociedade, que agora tenta se reorganizar, e é obrigada a se perguntar, se ainda há saída para o Brasil.

O que fez a esquerda para criar a militância destemida, que ameaça a própria segurança pública?

Mudou o conceito da festa carnavalesca. Tirou as tradicionais marchinhas e implantou o funk da imoralidade, do materialismo, da bunda grande que balança..

O que a grande mídia oficializou?

Implantou e valorizou, principalmente no péssimo programa do Faustão, o hábito de valorizar esta anti-cultura, patrocinando concursos, e excluindo funkeiros como Claudinho e Buchecha, DJ Malboro e outros, que tinham cara de Direitistas…

Esta é a soma dos carnavais dos últimos 30 anos..

Levaram o Cristo para a Sapucaí… abraçado ao diabo, em parceria com o PT, do jeito que a Dilma falou, quando afirmou que para derrotar Bolsonaro se uniria ao Diabo! Usaram o assassinato de uma vereadora para sensibilizar e valorizar assassinos e milicianos.

É assim, 30 anos depois..Exatamente como Dilma, O PT e o povo ruim queriam?

Vamos mudar isto!

Precisamos de tempo e vamos continuar apoiando o Novo Brasil.

Uma ótima terça-feira de carnaval para você!

Veja o vídeo:

Deixe uma resposta