ALERTA !!! Grupo de juristas com Modesto Carvalhosa descobrem transação suspeita com urnas eletrônicas

O Flextronics Instituto de Tecnologia, que recebeu R$ 7 milhões do TSE para desenvolver novas urnas, pertence ao empresário Jorge Eduardo Suplicy Funaro, filho de Dilson Funaro, ex-ministro da Fazenda de José Sarney.

Jorge Eduardo e seu irmão Dilson Suplicy já tiveram seus nomes envolvidos em denúncias de fraudes na falência da Trol (brinquedos) e no Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, durante a gestão do secretário tucano Emerson Kapaz.

O contrato com o TSE, firmado por Gilmar Mendes sem licitação, traz cláusulas que chamam atenção de especialistas, como o pagamento de diárias do contratado e a liberação de pagamento (R$ 1,7 milhão) pela simples entrega de um “plano de trabalho”.

“É muito estranho. Outros institutos, como o ITA e o IME, se ofereceram para desenvolver uma nova urna. Mas o TSE optou pelo Flextronics”, afirma a advogada Maria Aparecida Rocha Cortiz, da equipe de Modesto Carvalhosa e autora do requerimento de adequação da nova licitação.

Segundo ela, há claros indícios de irregularidades. Assim como na nova licitação, do dia 12, que prevê o desenvolvimento de novos protótipos com módulo de impressão de urna – em tese, já desenvolvidos pelo Flextronics.

“O TSE vai comprar as urnas de quem desenvolveu um protótipo financiado com recursos do próprio TSE. É um ótimo negócio”, alerta Cortiz.

Por: o Antagonista


Post Views:
20

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here