Na manhã desta segunda-feira (27), em entrevista à Rádio Jornal, o secretário de Defesa Social Antônio de Pádua afirmou que a delegada Gleide Ângelo deixa o caso da menina Beatriz, morta no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde estudava, em Petrolina, em 10 de dezembro de 2015. Depois de três delegados: Sarah Machado, Marceone Ferreira e Gleide Ângelo, quem tomará à frente da investigação será Poliana Néri, delegada adjunta do interior. Gleide era a responsável pelo caso desde dezembro de 2016.

“Ela (a delegada Poliana Néri) está debruçada sobre os 14 volumes dessa investigação e a gente não tem dúvida que ela vai encontrar o suspeito, fazer a prisão e levá-lo à Justiça”, disse o secretário.

Caso Beatriz
Beatriz estava com sua família na festa de formatura do Ensino Médio de sua irmã, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, no dia 10 de dezembro de 2015.

Ela havia pedido à mãe para tomar água e, quando seus pais estranharam a demora da menina, eles começaram a procurar a filha dentro do colégio, onde ocorria a festa. O corpo foi encontrado 30 minutos depois, dentro de um depósito de materiais esportivos. A menina foi assassinada com 42 facadas.

Poliana Néri
Segundo informações do JC Online, em outubro de 2015, Poliana passou a chefiar a 22ª Delegacia Seccional de Polícia de Floresta, no Sertão pernambucano. No mesmo ano, a delegada foi responsável por prender José Cícero da Silva, homem que confessou o assassinato do menino Wallisson Pedro, de 9 anos, em Petrolina. Na ocasião, o garoto foi estuprado, asfixiado e morto.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here