Foto: Hélia Scheppa/SEI-PE

Em um aceno para o Nordeste, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) prometeu, através da sua conta no Twitter, concluir até o início de 2021 as obras do Ramal do Agreste, projeto complementar para escoar água da Transposição do Rio São Francisco para o Agreste de Pernambuco. A garantia do presidente ocorreu dois dias após o governador Paulo Câmara (PSB) e o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, inaugurarem a Adutora do Moxotó, um sistema alternativo ao atraso do Ramal do Agreste.

“Transposição/Ramal do Agreste. Financiada pelo Governo Federal. Entrega prevista para fevereiro/2021. Terá vazão suficiente no abastecimento de água para mais de 2 milhões de pessoas em 68 municípios do Agreste Pernambucano“, escreveu o presidente no Twitter.

O Ramal do Agreste é uma adutora de 70,8 quilômetros que deveria recolher as águas do Eixo Leste da Transposição em Sertânia e levar até Arcoverde, onde a Adutora do Agreste a distribuiria para diversos municípios do Interior. O projeto é orçado em R$ 1,2 bilhão, começou a ser construído no governo do ex-presidente Lula (PT), mas ainda não foi concluído.

Como alternativa, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), com recursos da União, construiu a Adutora do Moxotó. Ela tem trajeto similar, começa em Sertânia e leva água até a Adutora do Agreste em Arcoverde. Inaugurada na última sexta-feira (22), beneficiará 400 mil pessoas em dez municípios: Arcoverde, Pedra, Venturosa, Pesqueira, Alagoinha, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano e São Bento do Una, utilizando as águas do Rio São Francisco. Até então, Pernambuco funcionava como um canal de passagem das águas da Transposição para a Paraíba.

Ação emergencial

Embora seja uma ação emergencial, a Adutora do Moxotó não é vista pelo governo como uma solução definitiva para o abastecimento de água no Agreste porque ela só consegue transportar 450 litros por segundo em seus canais. Já o Ramal do Agreste, quando concluído, poderá levar entre 2 mil e 4 mil litros de água da Transposição por segundo até a Adutora do Agreste.

Na semana passada, o ministro Gustavo Canuto vistoriou as obras do Ramal do Agreste ao lado do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do governo no Senado. “Essa obra é um sonho. Garantir que a obra abasteça essas cidades e que nenhum outro nordestino dessa região tenha novamente a escassez hídrica ou que falte água na sua torneira é o que o governo federal deseja“, prometeu o ministro na ocasião. (Fonte: Blog da Folha/Folha de PE)

Fonte

Deixe uma resposta