Por: Blog Edenevaldo Alves –

Pesquisadores americanos anunciaram a descoberta de uma variação do HIV (vírus da imunodeficiência humana, na sigla em inglês). É a primeira vez em 19 anos que isso acontece, desde que as diretrizes para classificar descobertas de subtipos do vírus foram determinadas, em 2000.

A cepa (variação) faz parte do grupo M do HIV tipo 1, responsável por 90% das infecções mundiais. Sua descoberta é importante porque, uma vez identificada, a variação não corre o risco de passar indetectável pelos exames.

A nova variação foi observada em três pessoas a partir de amostras de sangue colhidas entre os anos 1980 e 2001, todas na República Democrática do Congo, de acordo com o laboratório Abbott, que anunciou a descoberta.

Estima-se que 886 mil pessoas vivam com HIV no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. A Aids, doença causada pelo HIV, é considerada uma pandemia que já atingiu 75 milhões de pessoas no mundo –37,9 milhões convivem com o vírus atualmente. O HIV é muito mutável e está em constante evolução. Por isso, cientistas continuamente estudam como ele evolui ao longo do tempo para prevenir epidemias e encontrar formas de evitar ou até curar as infecções.

No comunicado em que divulgou a descoberta, uma das autoras do estudo, a professora da Universidade do Missouri Carole McArthur, destaca essa mutação constante. “Em um mundo cada vez mais conectado, não podemos mais pensar que vírus ficam contidos em apenas uma localidade”, afirma, na nota. “Essa descoberta nos lembra que para o fim da pandemia de HIV, precisamos continuamente pensar melhor essa mudança constante do vírus e usar os mais recentes avanços em tecnologia e recursos para monitorar sua evolução.”

As cepas também podem influenciar a resposta ao tratamento. Os medicamentos antirretrovirais, que hoje podem reduzir a carga viral de um portador do HIV até o ponto em que a infecção é indetectável e deixa de ser transmitida, geralmente têm um bom desempenho contra uma variedade de subtipos, de acordo com uma pesquisa, mas também há evidências de diferenças entre os subtipos na resistência aos medicamentos.

Deixe uma resposta