Eleições 2018: O Day After

Para alívio de todos, a eleição terminou neste domingo (28). Foi a eleição mais acalorada, acirrada e imprevisível dos últimos anos. Os ânimos estavam à flor da pele. Que ninguém espere a paz estabelecida já agora. A ressaca ainda trará dores de cabeça e discussões entre familiares e amigos. Aqui em toda a região do São Francisco testemunhamos contendas fortes.

Em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) o candidato petista ganhou muito bem, mostrando que o PT pode não estar tão morto como se pensa. Também é verdade que a oposição ao Partido dos Trabalhadores não se manifestou com força ou foi pra rua fazer a campanha de Bolsonaro, que teve esse trabalho feito pelo cidadão comum.

Aliás, os cidadãos comuns foram a melhor parte dessa eleição. Promoveram carreatas, adesivaços, buzinaços e foram à luta. E dos dois lados das candidaturas. A diferença é que a onda vermelha que já varreu o país, lá atrás, foi vista exatamente do outro lado, nas cores verde e amarelo (cores que a turma de Bolsonaro escolheu para mote de campanha).

Mas agora a campanha acabou e o país precisa sacudir a poeira e seguir em frente. Bolsonaro será presidente da nação inteira e o país espera que ele acerte a mão na administração.

Para reflexão, cabe uma passagem interessante:

Depois de uma campanha feroz, o candidato republicano John McCain reconheceu a derrota diante de Barack Obama. Perguntaram-lhe como seria sua relação com o vitorioso, depois de tantas trocas de acusações. McCain explicou: “Até agora ele era meu adversário. Agora é meu presidente”.

Rui pede respeito

Na mesma linha do pronunciamento do candidato derrotado a presidente Fernando Haddad (PT), o governador da Bahia, Rui Costa (PT), pediu respeito ao resultado das urnas, ao comentar a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial. No Facebook, ele escreveu o seguinte agradecimento: “A candidatura de Haddad não foi de um único partido, mas sim de diversos segmentos da sociedade civil organizada, que foi às ruas defender a democracia. Infelizmente, não foi o resultado que eu e a grande maioria dos baianos desejava. Mas é muito importante respeitar o resultado das urnas, que representa a vontade da maioria dos brasileiros. Democracia é liberdade e respeito à vontade da maioria. A Bahia fez a sua parte“.

Paulo Bomfim e a derrota de Haddad

O prefeito de Juazeiro (BA), Paulo Bomfim (PCdoB), também seguiu o mesmo pensamento de Rui Costa e fez uso das redes sociais para falar da derrota do petista Fernando Haddad para Jair Bolsonaro (PSL), mas destacou o número expressivo de votos para Haddad em Juazeiro. “Eu só tenho a agradecer ao nosso povo, que fez vitoriosos nossos deputados, senadores, governador e nossa chapa para a presidência da república que obteve aqui quase 70% dos votos válidos. Ninguém é derrotado quando luta pelas causas corretas. Nossa caminhada apenas começou”.

Mendonça Filho gritou em vão

Ex-ministro de Michel Temer e candidato derrotado ao Senado, Mendonça Filho (DEM) foi comemorar no Bairro da Madalena, no Recife, a vitória de Jair Bolsonaro, na noite de ontem (28). Num discurso em que não demonstrou esconder seu rancor, ele gritava forte, ao lado dos apoiadores do novo presidente eleito, que “o Brasil estava livre do PT”. Será mesmo? talvez, no calor da emoção, o democrata não tenha se lembrado que a maior bancada na Câmara Federal será do PT. Ou talvez também não tenha se informado, naquele momento, que os governadores eleitos e/ou reeleitos ou são petistas ou ligados à legenda.

Fonte

Deixe uma resposta