Descaso que atinge Apami, atinge Vale do São Francisco

Petrolina foi atingida duramente com a notícia do encerramento dos serviços prestados pela Apami e Hospital Dom Tomás. A explicação é que falta dinheiro para mantimentos, remédios, atendimentos, pagamento de pessoal e toda e qualquer ação. Só a dívida do Governo de Pernambuco é gigante. O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) já tinha denunciado que o dinheiro, fruto de emendas parlamentares, já estava na conta do governo há mais de dois anos.

Não é de hoje que o diretor-presidente da Apami, Augusto Coelho, vinha chamando a atenção para o problema e avisando que o colapso era iminente.

O fato é que a conta chegou e agora milhares de pessoas vão sofrer as consequências.

Suas famílias terão dias difíceis também, pois não há a quem recorrer. O Vale do São Francisco inteiro depende desse trabalho, já que os índices de câncer na região aumentam vertiginosamente.

Chegou a hora da cidade se levantar e os senhores políticos se mobilizarem para mudar esse quadro assombroso que se abateu sobre todos nós.

Jogando contra

O ano começou e parece que a relação entre vereadores e integrantes da Prefeitura de Petrolina ainda não encontrou a harmonia. Teve gente da base do prefeito que não entendeu ou não quis entender o projeto do governo apenas por questões políticas. É a força do ego.

Apelo ao governador

Assim que tomou conhecimento sobre a nota da Apami, anunciando que por falta de verba terá de suspender suas atividades em Petrolina, o deputado estadual Odacy Amorim (PT) encaminhou uma carta ao secretário de Saúde de Pernambuco, Iran Costa, pedindo-lhe para que o governador Paulo Câmara interceda e evite o pior.

Rompimento à vista?

O vereador Ronaldo Silva (PSDB) já negou um suposto rompimento entre seu grupo com o do prefeito Miguel Coelho (PSB), mas a sessão extraordinária de ontem (8) deixou um clima no ar. Ronaldo se absteve de votar em um dos projetos enviados pelo prefeito, referente a serviços na zona rural, como também disse que daria um “crédito de confiança” a Miguel sobre o empréstimo de R$ 60 milhões junto à Caixa, para pavimentar várias ruas em Petrolina. No entanto disse que irá fiscalizar para ver se o prefeito irá mesmo cumprir a meta.

Só com MPPE e TCE-PE

Cansada de pedir informações à Prefeitura de Petrolina sem obter respostas, a vereadora de oposição Cristina Costa (PT) perdeu de vez a paciência durante a sessão extraordinária de ontem (8), que aprovou dois projetos de lei do Executivo. Ao criticar a “falta de clareza” nas matérias, Cristina afirmou que a linguagem que terá com a administração, a partir de agora, é a do Ministério Público e do Tribunal de Contas.

CB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here