Uma decisão da Justiça do Distrito Federal está preocupando o Conselho Federal de Psicologia (CFP) por colocar em risco o princípio básico defendido pelo órgão através da Resolução CFP n° 01/99: A homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão.

De acordo com o Conselho, na última sexta-feira (15), a seção Judiciária do DF acatou parcialmente o pedido liminar de uma ação popular que dá margem para o uso de terapias de “reversão sexual”.

A ação teria sido pautada por um grupo de psicólogos que defendem tal prática. O CFP, contudo, deixou claro que repudia este tipo de terapia e que ela representa “uma violação dos direitos humanos e não tem qualquer embasamento científico”.

Na audiência, o juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho manteve a integralidade do texto da Resolução 01/99. Porém, determinou que a interpretação da resolução deve ser aberta para aqueles profissionais que façam atendimento buscando a reorientação sexual.

Obstáculo

O CFP se posicionou contrário a essa abertura de interpretação e alerta que as chamadas “terapias de reversão sexual” provocam agravos ao sofrimento psíquico dos pacientes. Para o órgão, a interpretação do texto por esta via é um obstáculo ao enfrentamento da violência e do preconceito em relação à população LGBT. (Fonte: HuffPost Brasil/foto: Marko Djurica/Reuters)



Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here