Delegado Grogório Ribeiro. (Foto: Gabriel dos Anjos/Blog do Carlos Britto)

O delegado Gregório Ribeiro detalhou como se deu a investigação que culminou com a Operação ‘Delivery’, deflagrada hoje (8) pela manhã em Petrolina. O objetivo da operação é desarticular uma associação criminosa que atua na cidade, envolvida com um esquema de estelionato, através do uso de cartões clonados.

Essas pessoas adquiriam os dados desses cartões através de redes sociais e nós conseguimos identificar cerca de 29 cartões dando golpes no comércio da região”, informou.

O grupo vinha realizando compras online. “Eles pegaram os dados de pessoas de fora da região e compravam online. Essas pessoas realizavam os pedidos, que chegavam nos endereços que realizamos as buscas de hoje. Até o momento não houve prisão”, explica o delegado.

Ao todo, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão domiciliar, resultando na apreensão de aparelhos celulares e computadores com informações sobre a prática criminosa. Os mandados foram cumpridos nos bairros Vila Eduardo, Fernando Idalino e Loteamento Geovana. As fraudes foram identificadas nos meses de agosto e setembro deste ano.

Com essa ação de hoje identificamos oito envolvidos nessa prática delituosa aqui na região. Eles já foram indiciados e agora vão ser ouvidos e responder ao inquérito policial, quando será analisado o mérito da situação”, reforça. “Com o cumprimento das buscas, identificamos mais cinco envolvidos, incluindo o possível fornecedor dos dados dos cartões“, destaca o delegado.

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Compras

Artigos de alimentação e eletrodomésticos estão entre os produtos adquiridos. “Vários tipos de produtos [foram comprados], envolvendo artigos de alimentação e eletrodomésticos. Nas compras de três alvos que já haviam sido identificados antes do cumprimento das buscas, chegamos a cerca de R$10 mil de prejuízo a estabelecimentos comerciais”, destaca o delegado.

Gregório Ribeiro disse que a Polícia Civil foi procurada por algumas empresas da região. “Esperamos que novas empresas que caíram no mesmo golpe nos procurem”, orienta.

O delegado finalizou dando uma dica: “Após identificar que caiu num golpe dessa situação, tem que registrar Boletim de Ocorrência, pois em muitas situações as pessoas tratam apenas na forma administrativa, com a empresa do cartão de crédito, e não registra o boletim. Assim, não chega ao nosso conhecimento e não tem como a gente iniciar uma investigação.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Deixe uma resposta