Foto: arquivo pessoal

Após ficar 30 dias prostrado num leito do Hospital Universitário (HU), em Petrolina, devido a um grave acidente de motocicleta ocorrido no último dia 27 de julho, no Perímetro Bebedouro (zona rural), o jovem Everton Lima de Oliveira não imaginava o pesadelo que ainda estaria por vir. Everton foi transferido para o Hospital da Restauração (HR), no Recife (PE), onde havia a expectativa de que passasse por uma cirurgia numa das vértebras lesionadas no acidente.

Segundo informações obtidas pelo Blog, o jovem perdeu momentaneamente os movimentos da perna. A esperança da família era a de que, com o procedimento cirúrgico, o rapaz conseguisse ao menos conseguir se sentar. Mas ao chegar na noite de sábado (24) à capital pernambucana, Everton e a mãe dele tiveram uma surpresa desagradável: a direção do HR informou que a unidade médica está superlotada e sem previsão de receber novos pacientes.

Segundo familiares de Everton, a Restauração teria alegado que seu filho foi encaminhado sem autorização. Ou seja, não teria passado pelo procedimento de regulação, de responsabilidade do HU. É esse critério que garante a vaga de um paciente em qualquer unidade. A informação, porém, é contestada pelo hospital de Petrolina (confiram nota abaixo, na íntegra) e foi confirmada pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), que foi procurado pela família do jovem.

Primo do rapaz, Júlio César Monteiro acredita que possa ter ocorrido uma “negligência” da Restauração. “É possível que o médico plantonista não tenha repassado essa informação quando deixou o plantão”, disse. Padrinho e também primo de Everton, Vagner Batista justificou ao Blog que o momento não é de procurar culpados. Segundo ele, o que a família mais quer é resolver definitivamente o caso, diante do sofrimento pelo qual o jovem e a mãe estão passando no Recife. Vagner conta que Dona Nalva está impossibilitada de acompanhar o filho como gostaria.

O psicológico dele está abalado. Ele está jogado no corredor do Hospital da Restauração. A mãe dele só conseguiu entrar no hospital para dar assistência ao filho às 14h de ontem. Ele é um menino bom, trabalhador. Queremos apenas um direito que é nosso, de que Everton possa passar por uma cirurgia”, desabafou.

Nota

Em resposta ao Blog, a direção do HU, por meio de sua assessoria, esclareceu o seguinte:

NOTA DE ESCLARECIMENTO QUANTO À REGULAÇÃO DO PACIENTE EVERTON DE LIMA OLIVEIRA

Petrolina-PE, 26 de Agosto de 2019.

O Hospital da Universidade Federal do Vale do São Francisco vem esclarecer a informação inverídica de que o paciente Everton de Lima Oliveira teria sido transferido do HU-Univasf para o Hospital da Restauração-HR (no Recife) sem a devida Regulação, o que não é verdade.

O fato é que o referido paciente foi devidamente regulado o através da Central de Regulação Interestadual de Leitos – CRIL, no dia 23/08/2019, sob a senha 5755391. No processo, foram seguidos rigorosamente todos os trâmites preconizados pelo SUS. Conforme comprovação documental em anexo.

É importante frisar que o paciente foi regulado para o Hospital da Restauração, que é uma das maiores referências em neurocirurgia do estado de Pernambuco e uma das maiores do Brasil.

Portanto, a ação do HU-Univasf foi totalmente respaldada e de acordo com os parâmetros de referenciamento da Rede PEBA.

O HU-Univasf compreende a angústia da família e está à disposição para prestar qualquer esclarecimento sobre o processo regulatório, o que pode ser feito através do setor de Ouvidoria. No entanto, é preciso também frisar a necessidade de responsabilidade com as informações divulgadas, uma vez que o hospital sempre preza pela lisura e institucionalidade dos processos, não podendo admitir que acusações graves como a que ora se esclarece sejam feitas sem fundamentação verídica.

Por fim, uma vez que o paciente se encontra em atendimento em outra unidade de saúde, solicitamos à imprensa e aos familiares que maiores informações sobre previsão cirúrgica e estado do paciente sejam buscadas junto aos órgãos competentes, uma vez que o HU-Univasf não tem governabilidade sobre o caso.

Ao mesmo tempo, estamos contatando gestores da rede saúde, principalmente as centrais de regulação da rede PEBA e do estado de Pernambuco, para que possam ter ciência sobre o caso e possam tomar as providências cabíveis, uma vez que a vaga foi liberada e autorizada por estas instituições.  

HU-Univasf/Ascom

A reportagem do Blog ainda não conseguiu, até o momento, entrar em contato com o HR.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Deixe uma resposta