Tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) deste ano, a educação inclusiva de surdos é uma prática da rede municipal de ensino de Petrolina. Todos os alunos com surdez ou algum tipo de deficiência auditiva são atendidos de forma plena em suas unidades escolares.

Ao total, 59 alunos, em 40 escolas na sede e no interior, recebem atendimento do Núcleo de Apoio Psicopedagógico aos Portadores de Necessidades Especiais (NAPPNE). Os estudantes têm direito a intérprete e/ou instrutor, além de reforço escolar no contra turno, através do Atendimento Educacional Especializado (AEE), com português, que, no caso, é a segunda língua, já que a Linguagem Brasileira de Sinais (Libra) é considerada língua materna.

“O debate sobre educação inclusiva, que garanta direitos, é uma preocupação da gestão do prefeito Miguel Coelho que estamos seguindo. Nossa ação vai além do atendimento, que é importante, mas queremos ampliar o debate na formulação das politicas públicas inerentes”, pontua a secretária de Educação de Petrolina, Maéve Melo.

Acessibilidade

Além das ações na escola, como garantia de formação dos surdos, a gestão municipal inova na questão de acessibilidade. Desde que assumiu, o prefeito Miguel Coelho tem em sua companhia em eventos públicos a presença do intérprete em LIBRAS, Luiz Germano, além de ampliar a oferta de cursos na área. Em fevereiro do próximo ano, por exemplo, novas turmas de LIBRAS serão abertas pelo Núcleo Municipal de Línguas (NUMEL) para o público em geral e uma turma exclusiva para professores e implantação de uma escola bilíngue (Libras-português) estão sendo debatidos como ações para continuar avançando no setor. (foto/divulgação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here