Fotos: Jean Britto/divulgação

Da oposição na Casa Plínio Amorim, as críticas ao Governo Miguel Coelho deixaram de ser novidade. Mas durante o balanço do segundo quadrimestre da Secretaria de Saúde de Petrolina, apresentado na última quinta-feira (12) pela titular da pasta, Magnilde Albuquerque, os questionamentos partiram de onde menos se esperava. A vereadora Maria Elena (PRTB0, que integra a bancada governista, cobrou mudanças com relação aos atendimentos na rede municipal.

Uma Secretaria de Saúde não pode só viver de mutirões. Temos unidades, como nas regiões de bairros como José e Maria, Areia Branca, Dom Avelar, onde a demanda é de 400 a 500 pessoas para apenas 70 fichas por consulta. Então, sou governo, mas não vou maquiar nenhum problema, principalmente no tocante à saúde“, declarou a vereadora.

Outro governista, Manoel da Acosap (PTB), também demonstrou sua insatisfação com a pasta comandada por Magnilde. Ele não gostou quando a secretária fez críticas aos servidores efetivos da secretaria, e lembrou que comanda uma entidade com cerca de 500 servidores que cumprem “com muito profissionalismo” a sua função: os agentes de saúde e de endemias.








Fonte: Blog do Carlos Britto

Deixe uma resposta