Lula e o PT usarão a tática covarde de sempre para destruir a imagem dos adversários

A Coluna Painel da Folha de São Paulo, desta segunda-feira (27), revela que o PT está preocupado com a simpatia do presidenciável Jair Bolsonaro (Pat-RJ) junto à juventude brasileira. Como já era esperado, prepara a estratégia suja de sempre para denegrir a imagem de seus adversários.

A tática petista é antiga e simples: tudo e todos só prestam se são convenientes de alguma forma ao petismo. O maior partido brasileiro, o PMDB, é uma prova disso. São mocinhos para o PT aqueles que continuam aliados ao partido e defensores da candidatura de Lula em 2018. O resto, como eles costumam chamar, são “golpistas”.

Confira abaixo o que foi dito na Coluna Painel:

Retrato da quimera
A simpatia dos jovens por Jair Bolsonaro tornou-se motivo de preocupação para o PT, que agora traça estratégias para minar o potencial do rival nessa fatia do eleitorado. A sigla identificou que, sem Lula na disputa pelo Planalto, parte dos jovens que o apoia migra para o deputado. Embora não faça sentido para os que ainda se aventuram na análise partidária/ideológica tradicional, o movimento, para o partido do ex-presidente, é prova do descolamento entre a sociedade e a política.

Falo por mim
Em análises internas, petistas avaliam que entidades como a UNE, que antes faziam a ponte da legenda com os estudantes, perderam representatividade em parcela expressiva da juventude. Para tentar reverter esse fenômeno, o partido tenta se reconectar a diretórios estudantis —onde o PSOL passou a ter forte presença.

Aos números
Segundo a última pesquisa Datafolha, publicada em outubro, Bolsonaro alcança sua melhor marca entre os eleitores de 16 a 24 anos: 24%. Lula também. Ele chega a 38%. Sem o nome do petista na urna, o deputado oscila para 27%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here