José Dirceu será preso novamente nos próximos dias e terá de volta para Curitiba

Agora, não tem mais jeito. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) já negou os Embargos de Declaração da defesa do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e confirmou a condenação  por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, ao participar do esquema de corrupção da Petrobras por meio de contratos da Engevix, no âmbito da operação Lava-Jato. Neste processo, Dirceu foi denunciado por comandar um grupo de operadores, recebendo propinas em dinheiro vivo ou depósitos em contas de terceiros, além de lavagem por meio da realização de reformas em seus imóveis.

Segundo a denúncia da Lava-Jato, Dirceu recebeu recursos por intermédio de diversas pessoas, como assessores, seu irmão Luiz Eduardo de Oliveira e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, também réu na mesma ação penal.

SEM RECURSOS – Os Embargos de Declaração foram rejeitados pela 8ª Turma do Tribunal nesta terça-feira. No desespero, a defesa de Dirceu estuda entrar com mais um recurso, o chamado Embargo Infringente, porque houve divergência nos votos a respeito da pena, que foi ampliada em mais 10 anos, para chegar a 30 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão.

No entanto, a apresentação de Embargo Infringente não terá efeitos e o pedido será liminarmente rejeitado, porque a decisão de condenar Dirceu foi unânime. A defesa de Dirceu somente poderia apresentar este tipo de recurso se a condenação fosse por 2 votos a 1, mas isso não aconteceu, só houve divergência na chamada dosimetria da pena.

Agora, o desembargador-relator vai mandar publicar o acórdão da 8ª Turma, ratificando a condenação e determinando que Dirceu seja preso novamente, para cumprir o resto da pena.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here