Jucá propõe novo fundo eleitoral de R$ 3,6 bilhões abastecido por três fontes.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), apresentou nesta quarta-feira (20) um novo projeto de lei para, mais uma vez, tentar criar um fundo público para financiar as campanhas eleitorais. O texto, originalmente elaborado pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), foi adaptado pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE), escolhido como relator, para acelerar a reforma política, que só terá validade para as próximas eleições, se aprovada até o início de outubro.

O projeto que cria o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, sob responsabilidade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não prevê o valor do fundo, mas Jucá estima um montante de R$ 3,6 bilhões para campanhas. Pela proposta, o fundo será abastecido por três fontes.

A primeira são recursos de valor equivalente à compensação fiscal que emissoras de rádio e TV receberam pela divulgação de propaganda partidária em 2017 e parte de 2018. Este valor, se a proposta for aprovada, será atualizado a cada eleição pelo INPC, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor. Com isso, acabariam as propagandas partidárias, mas os programas eleitorais, que são veiculados em ano de disputa, seriam preservados.

A proposta também prevê o uso de multas aplicadas aos partidos políticos e de metade dos recursos das emendas de bancadas nos anos eleitorais. O dinheiro das emendas é usado por parlamentares para irrigar suas bases políticas em projetos de infraestrutura, saúde e educação.

Além disso, o texto prevê a utilização de créditos adicionais, o que, na visão de técnicos do Congresso, permite que o fundo não tenha teto. “O [texto] dele é algo imprevisível. Não tem tamanho”, disse Caiado, que discorda desse ponto do texto.

Jucá negou que a proposta prejudique os gastos com saúde e disse que o uso de créditos adicionais é natural. “O teto do gasto que foi aprovado define que no ano que vem não pode se gastar menos do que foi gasto neste ano. Se não for a emenda impositiva colocada por uma bancada para a saúde, outro recurso terá que ser direcionado porque não poderá se gastar menos que o teto do gasto”, afirmou.

Teto extrapolado

Para técnicos do Congresso, o projeto do fundo trará um problema para a Justiça eleitoral. Como administradora, ela extrapolaria seu teto de gastos ao incorporar os recursos do fundo. Líderes discordam dessa avaliação e entendem que o fundo não afetaria o teto do TSE.

A falta de entendimento inviabilizou a votação do projeto no plenário do Senado na noite desta quarta. A votação precisou ser adiada.

O projeto do Senado permite que os comandos partidários decidam como distribuir o dinheiro entre os candidatos, fortalecendo o “caciquismo”. Além disso, a proposta permite que partidos políticos realizem sorteios, concursos e ações como bingos para ajudar no custeio das eleições.

No primeiro turno, para o qual são destinados 90% do total de recursos, apenas 2% serão distribuídos igualmente para todas as siglas, independentemente do número de representantes no Congresso. O restante do dinheiro será distribuído de acordo com o tamanho das bancadas de cada legenda na Câmara e no Senado.

Para evitar que partidos “comprem” parlamentares para engordar suas bancadas e, consequentemente, seus caixas, a distribuição de parte dos recursos para as próximas eleições levará em conta o número de parlamentares em 10 de agosto de 2017. Com isso, fica de fora do cálculo a variação do tamanho das bancadas em março de 2018, quando acontece a janela partidária.

Para os partidos que não estabelecerem suas próprias regras internas até o último dia útil de junho do ano eleitoral, o projeto traz regras pré-estabelecidas de distribuição dos recursos.

No primeiro turno, em eleições gerais, 50% vão para disputas para os cargos de presidente, governador e senador; 30%, para deputados federais; e 20% para deputados estaduais e distritais.

Em caso de segundo turno, os recursos são distribuídos igualmente. Nas eleições municipais, 60% dos recursos são para prefeito e 40% para vereador.

Os recursos que não forem utilizados nas campanhas terão de ser devolvidos ao Tesouro Nacional.



Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here