Lava Jato busca donos de R$ 2,52 bilhões na Suíça; investigação deve se estender à China

Com investigadores estrangeiros ampliando o confisco de dinheiro na Operação
Lava Jato  procuradores brasileiros avaliam que o término da investigação está longe de ser
alcançado –apesar de recentemente o juiz Sergio Moro ter dito que os trabalhos
em Curitiba se aproximam do final

Isso porque as investigações devem ser estendidas para outros lugares e instâncias
Só na Suíça, a quantidade de dinheiro bloqueado chega a mais de 1 bilhão de
francos (R$ 3,22 bilhões) neste ano, segundo dados obtidos pelo UOL com o
Ministério Público em Berna.

Desse total, investigadores no Brasil apontaram que ainda desconhecem quem são
os verdadeiros donos de cerca de US$ 800 milhões (R$ 2,52 bilhões) de 800 contas
correntes bloqueadas no país europeu.

Apenas depois disso é que as futuras ações penais podem ser abertas para que se
tente buscar a devolução desse montante. O trabalho de cooperação internacional,
considerado por eles como “de formiguinha”, ainda deve se estender por outros
países, como a China.

Ainda assim, o procurador Paulo Roberto Galvão, da força-tarefa da Lava Jato em
Curitiba, destaca que R$ 769 milhões já foram recuperados aos cofres públicos do
Brasil desde o início do caso, em 2014. Falta uma análise sobre os R$ 2,52 bilhões
restantes. “Esse é um ponto que mostra o tanto que a Lava Jato precisa andar em
Curitiba e em outros locais”, afirmou.
“É uma investigação lenta

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here