Quando caminhamos na praia, geralmente, encontramos sobre a areia conchas e outros resquícios marinhos. No entanto, vez ou outra, sempre nos deparamos com algo a mais, algo que pode ser mais surpreendente que uma concha cheia de detalhes, como, por exemplo, uma garrafa com uma mensagem dentro.

A situação citada acima foi a mesma vivenciada por uma mãe e seu filho que, enquanto caminhavam por uma das praias da Noruega, encontraram uma garrafa com uma carta. De acordo com o portal de notícias UPI, o objeto viajou mais de 1.600 quilômetros em cerca de oito meses.

A mensagem

Ida Hodnebo, de 36 anos, disse, em entrevista ao portal UPI, que estava caminhando com seu filho, Tallak, de 7 anos, em uma praia da ilha norueguesa de Jomfruland, quando se deparou com uma garrafa de vidro, contendo um bilhete escrito à mão.

Segundo as informações que foram disponibilizadas pela reportagem do portal UPI, a nota foi escrita em julho de 2020, por uma menina de 10 anos, chamada Lilly Carter. Ao que parece, a jovem que escreveu o bilhete lançou a garrafa nas águas oceânicas da praia de Chapel St. Leonards, na Inglaterra, a cerca de 1.600 quilômetros de onde o objeto foi encontrado.

O singelo bilhete continha apenas um único pedido. Conforme expôs o portal UPI, a jovem Carter queria apenas que quem encontrasse a garrafa – e, consequentemente, seu conteúdo – publicasse sobre o assunto em alguma rede sociais. E foi exatamente isso que Hodnebo fez.

A norueguesa, assim que encontrou a garrafa, postou, em seu perfil pessoal do Facebook, algumas fotos, tanto do objeto, quando do conteúdo que estava em seu interior.

Harald Christiansen, uma usuária do Facebook que visualizou a publicação de Hodnebo, resolveu assumir, por um determinado tempo, a roupagem de um detetive e, incansávelmente, foi em busca do responsável que fez uma garrafa viajar mais de 1.000 quilômetros.

Por um acaso do destino, ou por mera coincidência, as fotos de Hodnebo mostrando a garrafa e a carta chegaram até a mãe de Carter, Claire Pentecost, de 38 anos. “Tanto Lilly quanto sua irmã mais velha, Chloe, enviaram mensagens para o mar, mas até o momento ninguém encontrou a garrafa de Chloe”, revelou Pentecost ao Lincolnshire Live.

“Ficamos surpresas que a tampa da garrafa tenha permanecido durante o trajeto. Se a tampa tivesse deixado a garrafa em algum momento, a água poderia entrar em seu interior e afundar a garrafa. Ficamos surpresas também com o fato da garrafa não ter se chocado contra as rochas”, disse Pentecost.

Garrafas que viajam

Em 2018, a BBC relatou o caso de uma garrafa que viajou pelo oceano por exatos 132 anos. De acordo com a reportagem da BBC, por ter ficado todos esses anos trasladando em meio às águas oceânicas, a garrafa em questão ganhou o título de a mais antiga do mundo.

Assim como a garrafa que foi lançada ao mar por Lilly Carter, esta também continha uma nota. A mensagem, segundo a BBC, foi escrita em 12 de junho de 1886, foi descartada do navio alemão Paula.

Conforme expôs a BBC, a garrafa foi lançada ao mar “como parte de um experimento sobre o oceano e rotas marítimas do Observatório Naval Alemão”. O objeto foi encontrado em meio às dunas de uma praia isolada do oeste da Austrália, por um residente local.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here