Durante o mês de novembro será realizada uma programação especial para celebrar o mês da Consciência Negra, em Juazeiro. Palestras, exposições, exibição de filmes, rodas de conversas, seminários, além do III Fórum Municipal de Promoção da Igualdade Racial e uma grande celebração artística farão parte da programação no dia 20 de novembro.
A exposição ‘Santo de Casa faz Milagre’ da artista plástica Alda Moreira, que acontece na Casa do Artesão das 8h às 18h, abre a programação e estará aberta ao público até o dia 22 de novembro. No auditório da UNEB, acontece o III Fórum Municipal de Promoção da Igualdade Racial, realizado pelo município através da SEDES em parceria com o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial e a UNEB.
“O fórum é um momento de consolidação das propostas do trabalho coletivo e democrático feitas nos dois fóruns anteriores. É o momento de apresentar a minuta do plano de ação e expor em plenária, esse que é o resultado não só dos fóruns, mas da construção que vem sendo feita ao longo dos anos em nosso município”, afirmou a diretora de Diversidade do município, Luana Rodrigues.
As ações voltadas ao Novembro Negro acontecem em Juazeiro desde 2013 a partir de um calendário com diversas atividades que buscam fortalecer a identidade do Povo Negro, combatendo o racismo e a intolerância religiosa dando visibilidade também às ações dos povos de terreiro da cidade.
Dando continuidade à programação, no dia 20, Dia da Consciência Negra, um grande evento na Lagoa de Calu vai celebrar a data. “Vamos comemorar essa data tão importante com o um show musical e lançamento do novo CD do grupo P1 Rappers, formado por jovens negros da periferia que encontraram na música uma forma de desabafar sobre questões sociais. Será um momento de celebração, mas principalmente, de reflexão”, destacou Luana.
O município de Juazeiro tem hoje 73% da população negra e o governo municipal tem atuado buscando o fortalecimento da identidade racial dessa parcela da população. Através de atividades desenvolvidas durante todo o ano são trazidas para a sociedade discussões sobre temas importantes como o combate ao racismo e a intolerância religiosa.
“Esse ano vamos trazer durante todo o mês a mensagem de que é preciso haver resistência e que a promoção da igualdade racial só tem espaço dentro de uma democracia. O povo negro precisa ser de fato incluído nas políticas públicas e o Estado precisa banir o racismo de suas instituições. Vamos continuar comemorando o novembro negro e a consciência negra, por que entendemos que esses são dias de resistência, de luta, de celebração e de refletir sobre a condição do povo negro, de olhar para trás e ver o quanto nossos ancestrais lutaram para chegarmos até aqui”, completou a diretora.
Além da programação desenvolvida através da SEDES, o município apoia diversas ações realizadas desde o início do mês por parceiros como UNEB, Univasf, Coletivo Luiz Gama, associações culturais e Terreiros da cidade.






Fonte

Deixe uma resposta