O famoso chef e crítico gastronômico norte-americano Anthony Bourdain morreu aos 61 anos, informou a CNN, rede para a qual trabalhava. O cozinheiro, uma estrela da televisão de seu país, cometeu suicídio, conforme informou a rede. Ele estava em Estrasburgo (França), trabalhando no próximo episódio de sua série Parts Unknown, sobre comida e viagens. Seu amigo Eric Ripert, um chef francês, encontrou-o inconsciente em seu quarto de hotel.

Bourdain (Nova York, 1956) era um dos chefs mais importantes do mundo, estrela de televisão graças aos seus programas de culinária. “Com enorme tristeza, confirmamos a morte do nosso amigo e colega, Anthony Bourdain”, disse a CNN em um comunicado divulgado nesta sexta-feira. “Seu amor pela aventura, por novos amigos e pela boa comida e bebida e suas histórias extraordinárias sobre o mundo fizeram dele um narrador único”, continua o comunicado, que destacou que os “talentos” de Bourdain “nunca” deixaram de surpreender a rede. “Sentiremos muito a falta dele. Nossos pensamentos e orações estão com sua filha e sua família neste momento incrivelmente difícil”, conclui o texto.

A autobiografia Cozinha Confidencial (2000) o tirou dos fogões para torná-lo definitivamente um cozinheiro midiático. No livro, Bourdain descreve as cozinhas dos restaurantes como se fossem navios piratas em plena abordagem. Com longas facas incluídas. Em seguida, dedicou-se a escrever sobre gastronomia e a viajar para reunir experiências que mais tarde retratava nas reportagens de seus programas de culinária. Tinha restaurantes em Nova York, Miami, Flórida e Washington.

Em uma entrevista ao EL PAÍS em 2007, disse: “Sou um grande admirador de Juan Mari e Elena Arzak, eles têm um dos melhores restaurantes do mundo. São admiráveis como pessoas e como profissionais. Gosto de como combinam o novo sem esquecer a tradição basca. O que torna Ferran Adrià diferente, e o que o torna diferente de todos os que o copiam, é que, sendo uma cozinha incrivelmente criativa, não perde de vista a comida catalã como fonte. Uma das coisas que fascinam aqueles que fazem a grande excursão ao El Bulli é se surpreenderem e passear antes ou depois pelo mercado de La Boquería, em Barcelona. Apaixonam-se pelos ingredientes espanhóis. Os chefs de todo o mundo estão respondendo muito positivamente à sedução de todos esses ingredientes espanhóis, mais do que ao interesse pela própria cozinha criativa”.

Desconfiava dos críticos gastronômicos. “Você não pode confiar em alguém que reclama de que um prato tem muitas trufas. Depois de muitos anos fazendo a mesma coisa você perde a sensibilidade para a novidade”, disse também ao EL PAÍS em 2010.

E.P.

Deixe uma resposta