A mãe de Estefany Eduarda, de 13 anos, brutalmente assassinada no dia 15 de outubro, no bairro São Gonçalo, em Petrolina não escondeu a dor pelo crime na manhã desta terça-feira (30), durante sessão ordinária na Casa Plínio Amorim.

Ela participou da sessão acompanhada dos demais familiares, amigos e estudantes, que protestaram em busca de justiça.

“São 16 dias e até agora nenhuma resposta, a polícia só mandou aguardar, a dor maior é a minha, enquanto o assassino da minha filha deve tá por aí zombando. Minha filha era uma pessoa alegre e não fazia mal algum, tive com ela normalmente antes do ocorrido, conversamos e o plano dela era ir para a casa da avó, ninguém sabe, viu ou conhece quem fez essa barbaridade”, contou Cicera Nere.

Outras pessoas, além da mãe de Estefany foram chamadas para prestar depoimentos na delegacia, mas nenhuma novidade foi revelada até o momento sobre o caso.

 






Fonte

Deixe uma resposta