Nós não comemos apenas com a boca, com o nariz ou com os olhos. Mas também, com os ouvidos. Dessa forma, com isso em mente, podemos explicar porque comidas crocantes fazem tanto sucesso. Quando comemos, todos os nossos sentidos estão envolvidos. Por isso, não é por acaso que escolhemos legumes, frutas e até comidas de fast food crocantes.

Essas são informações divulgadas por Charles Spence, especialista em psicologia experimental e um pesquisador que passou quase 20 anos investigando nossos sentidos. Tudo para compreendê-los melhor e nos possibilitar a criação de alimentos melhores. “Desde o estalar dos alimentos, ao ruído da embalagem, ao roçar da colher no prato ou à música que ouvimos enquanto comemos; todos os sons afetam a nossa experiência culinária, uns mais que outros, e também o sabor”, afirma Spence.

Estamos falando de uma experiência multissensorial

Ainda segundo Spence, comer é uma experiência muito mais multissensorial do que imaginamos. Por isso, precisamos levar em consideração o nível auditivo da comida. Em todo caso, o pesquisador não é o único que pensa assim. “Existem várias coisas que nos deixam satisfeitos com a comida: o cheiro, o sabor e a textura, e incluímos aí o som”, afirma Amanda Miles-Ricketts, consultora de alimentos. “E não há nada mais satisfatório do que algo crocante”, completa.

Em sua pesquisa, Spence cita que a comida “fast food tende a ser crocante, quase sempre barulhenta”. De fato, “ninguém gosta da ideia de uma batata frita fofa, mesmo sabendo que ela contém todos os elementos que lhe dão aquele sabor”, completa.

Essa informação está vinculada às frequências de trituração do nosso cérebro. “É uma reação instantânea em nosso cérebro”, afirma Spence. Por isso, “ainda estamos investigando porque somos tão atraídos pela comida crocante, mas há várias teorias”.

Alimentos mais crocantes fazer o sabor “durar mais”

Na teoria mais aceita, a referência é que “vegetais ‘mais barulhentos’ tendem a ser mais frescos”, como nos lembra Spence. Por isso, “associamos o crocante a algo saudável”. Por outro lado, enquanto legumes são mais crocantes, outros alimentos como biscoitos, cereais ou frituras também são. Nesse sentido, a ideia de crocante também está relacionada a alimentos mais gordurosos, “o que explicaria nossa preferência por esse som”, completa Spence.

Há alguns anos, outra teoria surgiu. Dessa forma, essa nova hipótese, que vem ganhando força, afirma que, “quando começamos a provar algo, e se achamos saboroso, nosso cérebro se adapta, e se desconecta conforme parece menos ‘interessante’, mas quando você come algo barulhento que direciona sua atenção para a boca, isso ajuda o sabor a durar mais”, afirma Spence.

Nesse caso, para além do teor saudável da comida, comidas crocantes dão a impressão de que seu sabor dura mais. Por isso, gostamos tanto desse tipo de comida, é uma reação natural de nosso cérebro.

No futuro, os pesquisadores imaginam que será possível alterar não somente o sabor da comida, mas também, o seu som. Dessa maneira, estaríamos entrando em um campo inexplorado, mas que poderá mudar a maneira como consumimos os mais diversos alimentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here