Em momentos delicados como o que estamos vivendo agora, investidores precisam ficar em alerta, afinal, do dia para a noite, tudo pode mudar. Assim, por conta da pandemia de coronavírus, muitos investidores recorreram a um por seguro que já é bastante conhecido, o dólar. Dito isso, muitas pessoas se perguntam por que parece a moeda americana nunca perde valor. Afinal, por que o dólar aumenta enquanto outras moedas enfraquecem?

Desde março, investidores estão trocando suas moedas por dólares. Porém, mesmo sendo um refúgio para investimentos, em julho, o dólar também foi enfraquecido. De fato, estamos vivendo um período de incertezas e ninguém consegue prever com exatidão como sairemos desse período.

Um verdadeiro porto seguro para investidores

De acordo com o DXY, o índice que me a variação do dólar americano em relação a outras moedas, seu nível caiu para menos de 95 mil pontos e atingiu em julho deste ano, o menor patamar desde o ano de 2018. Enquanto isso, no Brasil, o dólar alcançou a marca de R$ 5,40 no mesmo mês. Entretanto, teve uma queda de 4% no mesmo mês. Foi-se o tempo em que o dólar acima de R$ 5 era uma realidade distante. Hoje (21/08), o dólar se encontra em R$ 5,61. Dessa forma, mesmo que ele tenha sido afetado pela atual crise, os números não se comparam ao de outras moedas.

No caso do recente enfraquecimento da moeda, há alguns fatores que justificam isso. Entre eles, podemos citar as taxas de infecção pelo Sars-CoV-2, resultados econômicos abaixo do esperado e incertezas em relação às eleições presidenciais. “As taxas de infecção nos EUA, em comparação com outras economias desenvolvidas, permanecem relativamente altas, diminuindo as expectativas em relação à reabertura da economia no curto prazo”, afirma Andrés Abadia, economista da consultoria Pantheon Macroeconomics, no Reino Unido.

Matérias selecionadas especialmente para você!

(function () {
var youtube = document.getElementById(“fatosYoutubeEmbeded”);
var source = “https://img.youtube.com/vi/” + youtube.dataset.embed + “/sddefault.jpg”;
var image = new Image();
image.src = source;
image.alt = “capa youtube ” + youtube.dataset.embed;
//image.loading = “lazy”;
image.addEventListener(“load”, function () {
youtube.appendChild(image);
}());
youtube.addEventListener(“click”, function () {
var iframe = document.createElement(“iframe”);
iframe.setAttribute(“frameborder”, “0”);
iframe.setAttribute(“allowfullscreen”, “”);
iframe.setAttribute(“src”, “https://www.youtube.com/embed/” + this.dataset.embed + “?rel=0&showinfo=0&autoplay=1”);
this.innerHTML = “”;
this.appendChild(iframe);
});

const delayTime = 5000; // loading 5sec delay.
const loadJS = async () => {
return await new Promise(function (resolve, reject) {
var script = document.createElement(‘script’);
script.type = ‘text/javascript’;
script.async = true;
script.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.8”;
script.onload = resolve;
script.onerror = () => {
reject(‘Cannot load facebook js’)
document.head.removeChild(script);
}
document.head.appendChild(script);
}) }

function initLoadJS() {
loadJS()
.then(()=> console.log(‘adding facebook comments’))
.catch((error)=>console.error(error)) }

setTimeout((event)=>initLoadJS(event), delayTime);

})();

Deixe uma resposta