Foto: Sindicato Patronal da Fruticultura Irrigada/arquivo

Desde a divulgação dos decretos municipais do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, sobre as medidas preventivas contra o novo coronavírus (Covid-19), entre elas o isolamento social, muitos trabalhadores rurais que atuam na principal fonte geradora de renda da região têm procurado a prefeitura para esclarecer dúvidas sobre o que deve ser feito no ambiente de trabalho nas fazendas. A administração municipal tem acompanhado os acordos do Sindicato Patronal da Fruticultura Irrigada e demais sindicatos rurais do município que já estão implementando ações para garantir a saúde dos trabalhadores.

Além das medidas-padrões de profilaxia recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e das instituições oficiais de saúde do Brasil, algumas ações mais específicas estão sendo efetivadas diariamente para reduzir ou mesmo evitar o contágio com a Covid-19 e demais gripes como a influenza A. Nas fazendas de produção de frutas como manga e uva, medidas como manter um metro de distância de cada pessoa e lavar bem as mãos com água corrente e sabão já estão sendo adotadas. Para isso, foram instalados diversos lavatórios nesses locais.

Na hora do almoço estão sendo realizados esquemas de rodízio de turmas para que não haja aglomeração de mais de 10 pessoas no mesmo ambiente. Além disso, existem os equipamentos de proteção individual que são distribuídos para os trabalhadores. Outra ação também são palestras com especialistas que têm sido realizadas para ajudar na conscientização sobre combate ao coronavírus. Foi ampliado o número de ônibus e vans de transporte para evitar que haja mais de 10 funcionários durante locomoção de suas residências até as fazendas e todos os meios de transporte estão sendo higienizados com cloro tanto na ida quanto na volta para garantir a esterilização do ambiente.

No packing house, espaço destinado à classificação e embalagem das frutas que saem dos pomares de produção com um padrão de alta qualidade, as fazendas já seguiam uma série de protocolos sanitários conforme determinação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). Nesses espaços, sempre há um enorme cuidado de higiene para não haver nenhuma contaminação aos alimentos que serão exportados ou importados, e isso ajuda a mantê-los extremante limpos e livres de micro-organismos tais como o coronavírus.

Foto: Sindicato da Fruticultura Irrigada/arquivo

Decreto

De acordo com o decreto publicado pelos governos federal e estadual, existem segmentos que não podem parar, a exemplo da saúde e alimentação. Então, pessoas que trabalham em padarias, supermercados, pequenos mercados, casas de ração animal, lojas de implementos agrícolas e demais estabelecimentos da agricultura, farmácias, postos de gasolina, depósitos de água mineral e gás, além de obras de serviços essenciais, como o hospital, abastecimento d’água, gás, energia e internet continuam atuando e é preciso que sigam todas as orientações das autoridades em saúde para se protegerem a si e aos demais contra a pandemia.

A vereadora Maria Elena já havia levado ao governo municipal uma série de questionamentos em relação às medidas que seriam tomadas para proteger os trabalhadores rurais.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Deixe uma resposta