O vereador Professor Gilmar Santos (PT) não poupou críticas ao seu colega de Legislativo, Major Enfermeiro (PMDB), que presidiu a sessão plenária desta terça-feira (28) na Casa Plínio Amorim. Gilmar viu na decisão de Major em encerrar a sessão, por volta das 10h30 – mais de uma hora antes do prazo regimental –, uma atitude “antidemocrática” e “autoritária” para proteger o governo do qual faz parte.

“Ele (Major) diz que é assistencialista, mas também aliena e manipula”, alfinetou o petista, que também direcionou as críticas à maioria dos governistas. “Eles não têm compromisso com a população”, completou.

O estopim da polêmica de hoje diz respeito a pelo menos dois projetos de lei de autoria do Executivo Municipal, que serão votados na próxima segunda-feira (2/10), em sessão antecipada da terça (3). Um deles é a reformulação do Código Tributário Municipal, que deve acarretar em aumento na taxa do IPTU. O vereador lamentou a medida do prefeito Miguel Coelho (PSB), num momento em que o Governo Temer, “do qual inclusive apoia, faz diversos cortes no Orçamento, deixando as prefeituras em dificuldade”.

Gilmar também não se convenceu dos argumentos da base governista quanto às dívidas do Instituto de Gestão Previdenciária (Igeprev) – o outro projeto a ser votado. “O prefeito não tem condições de pagar mais de R$ 500 mil por mês sobre o reparcelamento das dívidas dos servidores, mas tem condições de manter cargos comissionados com supersalários e ‘arrumadinhos’ com cabos eleitorais, ou a sua bancada derruba os requerimentos da oposição solicitando transparência”, disparou. O petista aproveitou para convocar os petrolinenses a participarem da sessão da próxima segunda.



Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here