Todo nós sabemos da grande importância dos recifes de corais para o ecossistema. Os recifes de corais, que muitos de nós estamos acostumados a ver por fotos, são formados por colônias de pequenos animais, chamados pólipos de coral. Eles são parentes distantes das anêmonas do mar e águas-vivas.

Os recifes de corais atraem todos os anos, milhares de mergulhadores no mundo todo. Muito devido a sua grande beleza e a enorme variedade de peixes, que acabam sendo atraídos para estes locais. Além do mais, eles também servem como órgão de apoio da maior biodiversidade marinha do mundo. Eles cobrem, ao menos, cerca de 1% da superfície da Terra.

Recife

Agora, cientistas descobriram um novo recife de coral na ponta norte da Grande Barreira de Corais. E o impressionante é o seu tamanho. Ele tem 500 metros de altura, o que é mais alto do que o Empire State Building, a Sydney Tower e as Patronas Towers na Malásia.

Publicidade

continue a leitura

Essa é a primeira descoberta do tipo na região em 120 anos. Quem a fez foi uma equipe do Schmidt Ocean Institute através da tecnologia de mapeamento subaquático. E depois foi capturada por câmera pelo robô de mergulho SuBastian.

O recife gigantesco, separado  da Grande Barreira de Corais, mas ainda fixado no fundo do oceano, se junta com  vários outros recifes altos da região. Como por exemplo o da Ilha Raine, que é um habitat importante e uma área de reprodução das tartarugas verdes.

“Esta descoberta inesperada afirma que continuamos a encontrar estruturas desconhecidas e novas espécies em nosso oceano. O estado de nosso conhecimento sobre o que há no oceano é muito limitado. Graças às novas tecnologias que funcionam como nossos olhos, ouvidos e mãos no fundo do oceano, temos a capacidade de explorar como nunca antes. Novas paisagens oceânicas se abrem para nós, revelando os ecossistemas e as diversas formas de vida que compartilham o planeta conosco”, disse Wendy Schmidt , co-fundadora do Schmidt Ocean Institute.

Descoberta

Publicidade

continue a leitura

De acordo com os pesquisadores, o recife tem aproximadamente 1,5 quilômetros de largura na sua base. E ele eleva 40 metros da superfície da água. E segundo sugere a fotografia inicial, esse fenômeno natural é o lar de várias esponjas, leques do mar parecidos com uma rede de corais moles.

Além disso, vários peixes de recife também foram vistos ao redor. Indo desde pequenos peixes machadinhas até tubarões cinzentos. Esse recife parece ser um lugar bem imponente em vida. E provavelmente, leve anos até que o recife seja estudado por completo.

Entretanto nem tudo são flores com essa descoberta. Isso porque, os majestosos recifes que são essenciais para os ecossistemas marinhos,  estão sob ameaça por conta das mudanças climáticas. O aumento da temperatura do mar não é bom para os corais. E esse novo recife descoberto também etá sujeito a essas mudanças.

Publicidade

continue a leitura

Estudo

Mas a missão da equipe do Schmidt Ocean Institute continua. Eles já descobriram até 30 espécies desconhecidas em suas viagens e avistaram a criatura marinha mais longa,  tendo 45 metros. Mesmo assim, nada se iguala a descoberta desse recife gigante.

“Encontrar um novo recife de meio quilômetro de altura na área costeira de Cape York da famosa Grande Barreira de Corais mostra como o mundo é misterioso logo além de nossa costa. Esta poderosa combinação de dados de mapeamento e imagens subaquáticas será usada para entender este novo recife e seu papel na incrível Área de Patrimônio Mundial da Grande Barreira de Corais”, explicou a oceanógrafa Jyotika Virmani, diretora executiva do Schmidt Ocean Institute.

Publicado em: 30/10/20 15h23

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here