Em tempos de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a tecnologia tornou-se uma importante aliada para pacientes oncológicos de Pernambuco. A Teleoncologia (Teleonco-PE), serviço de teleconsulta com assistência especializada e integral aos pacientes com câncer, já está sendo utilizada como ferramenta pelos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) nas unidades que compõem a Rede de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon/Cacon). A teleconsulta não se propõe ao diagnóstico, mas ao acompanhamento de pacientes que já estão em tratamento ou o concluíram e precisam ser monitorados e avaliados continuamente.

O serviço tem a intenção de evitar, quando possível, a ida presencial às consultas médicas e o deslocamento até os hospitais, quando não há necessidade. Atualmente, no Recife, os hospitais Barão de Lucena (HBL), Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), no Recife; e Hospital Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, já contam com o atendimento a distância.

O Teleonco-PE possibilita que as equipes multidisciplinares realizem consultas clínicas a distância para fins de orientação, apoio diagnóstico e terapêutico aos pacientes oncológicos elegíveis a este tipo de atendimento. Os próximos equipamentos de saúde que passarão a integrar a Teleoncologia serão o Hospital Regional do Agreste (HRA), em Caruaru; Hospital Perpétuo Socorro, em Garanhuns; Hospital Memorial Arcoverde (HMA), em Arcoverde; Hospital Dom Tomás (HDT), em Petrolina, e Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope). 

“A plataforma funciona para o atendimento dos pacientes já acompanhados por esses serviços regularmente. Profissionais dos hospitais participantes fazem o levantamento prévio dos pacientes que podem ser acompanhados desta maneira e, posteriormente, entram em contato para informar do agendamento e realização da teleconsulta. Também estão em andamento as articulações para que outras especialidades, além da oncologia, possam utilizar a ferramenta da teleconsulta, considerando que em todas as especialidades temos pacientes que enquadram-se para o perfil”, explica o gestor de Clínica e Linhas de Cuidado da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Rodrigo Bezerra Pires.

Videochamada

A conversa por videochamada com os profissionais médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos pode acontecer via celular ou computador. Caso haja uma prescrição medicamentosa ou indicação de exame, este documento poderá ser enviado via e-mail ou WhatsApp. Entre os benefícios de adesão da plataforma tecnológica está a preservação da saúde desses pacientes, considerados grupo de risco para a Covid-19.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Deixe uma resposta