O plano da primeira-ministra Theresa May para o Brexit “provavelmente pode matar” a possibilidade de um acordo de livre comércio entre o Reino Unido e os Estados Unidos, disse o presidente Donald Trump em uma entrevista ao jornal The Sun.

“Se aprovarem um acordo como esse, estaríamos tratando com a União Europeia em vez do Reino Unido, e isso provavelmente pode matar o acordo”, disse o mandatário norte-americano ao iniciar uma visita de quatro dias à Grã-Bretanha.

Em comentários incomuns sobre política britânica, Trump também disse que o ex-chanceler Boris Johnson, que renunciou ao cargo nesta semana devido ao plano para a retirada de seu país da União Europeia, poderia ser “um grande primeiro-ministro”.

E também opinou que o prefeito de Londres, Sadiq Khan, que autorizou o voo de um balão sobre o Parlamento britânico representando Trump de fralda, durante os protestos desta sexta-feira, está fazendo um “trabalho horrível” em matéria de luta contra a criminalidade.


Manifestantes contra a visita de Donald Trump ao Reino Unido, nesta sexta-feira.ampliar foto
Manifestantes contra a visita de Donald Trump ao Reino Unido, nesta sexta-feira. REUTERS

O Governo britânico revelou na quinta-feira os detalhes de seu plano para a futura relação entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) depois do Brexit, previsto para março de 2019. O projeto prevê o estabelecimento de uma nova “zona de livre comércio para bens” destinada a manter um comércio “sem atritos” com os 27 Estados restantes da UE. Ela permitiria, através de um “acordo alfandegário simplificado”, “evitar uma fronteira dura entre a Irlanda do Norte [que é parte do Reino Unido] e a República da Irlanda [integrada à UE]”.

“Se fizerem isso, provavelmente não haverá acordo comercial com os Estados Unidos”, advertiu Trump durante entrevista ao tabloide, o jornal britânico mais vendido, observando que ele teria abordado o Brexit de uma forma diferente.

“Teria feito de um jeito muito diferente. Na verdade, disse a Theresa May como fazer, mas ela não estava de acordo, não me escutou. Quis seguir outro caminho”. “De fato, eu diria que provavelmente foi pelo caminho contrário. E tudo bem. Ela deve negociar da melhor forma que sabe. Mas o que está acontecendo é muito mau.”

Suas declarações foram publicadas pouco depois de o Reino Unido estender o tapete vermelho para receber Trump em seu primeiro dia de visita oficial, com a esperança de que se alcance um acordo de livre comércio com os Estados Unidos, “o aliado mais próximo, mas também o amigo mais querido”, segundo May. As reticências de Trump significam um revés para a chefa do Executivo britânico, que tenta assentar sua autoridade dentro do Partido Conservador, dividido a respeito do Brexit.

E.P.

Deixe uma resposta