(Foto: blog Waldiney Passos)

Médico, ex-prefeito de Petrolina (PE) e fundador da APAMI, Dr. Augusto Coelho, falou nesta terça-feira (9), sobre a suspensão dos serviços na instituição.

Em entrevista ao programa Super Manhã, com Waldiney Passos, na Rádio Jornal de Petrolina, Dr. Augusto disse que não teve mais condições de manter a APAMI/HDT funcionando por não tem mais medicamentos, nem insumos e nem dinheiro para comprá-los e pagar funcionários.

“Enquanto tinha medicamento eu atendi. Apesar dos atrasos, a gente tinha uma reserva de medicamentos. Mas e agora, como que eu atendo se não tem medicamento? Você já viu tratar doente de câncer só com conversa? ”desabafou Dr. Augusto Coelho.

LEIA TAMBÉM

Por falta de dinheiro APAMI vai parar as atividades nesta terça-feira

Segundo ele, os serviços prestados pela APAMI e o Hospital Dom Tomás, são todos pelo o SUS, ou seja, os pacientes não pagam nada, e o faturamento é feito pela secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco. Só que há três meses esse repasse não é feito para a APAMI.

O dinheiro referente aos meses de outubro, novembro e dezembro, no valor de R$ 800 mil reais cada um, não foi repassado. Além disso, há uma dívida acumulada extra teto de serviços prestados, que chega a R$ 2 milhões e 500 mil.

O fundador da APAMI disse, que o governo do Estado prometeu pagar o mês de outubro antes do natal, mas não pagou.

“Nosso vínculo é com a secretaria de Saúde do Estado. Eu não posso me reportar diretamente ao Ministério da Saúde para saber o que está acontecendo. Só que o Estado não me paga e não dar nenhuma satisfação” explicou Dr. Augusto.

E acrescentou: “Nós estamos sendo tratados com indiferença pela Secretaria de Saúde de Pernambuco. Se dessem uma programação financeira, ainda daria para a gente fazer uma negociação com os nossos fornecedores. Mas nem isso”.

Dr. Augusto disse também que existe um valor de R$ 5 milhões e 500 mil, resultado de emendas do Deputado Federal Adalberto Cavalcanti e do Senador Fernando Bezerra Coelho, que deveria ter sido destinado ao Hospital Dom Tomás para aquisição de equipamentos.

“Somos a única unidade de referência de tratamento de câncer do vale do são Francisco. Mas eu sou obrigado a dizer a um paciente que chega lá sentindo dor, que não podemos atender porque não temos medicamentos. E como é que ele vai para Recife, que fica a 800 km e é o lugar mais próximo? O sentimento é de dor”, concluiu Dr. Augusto Coelho.

WP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here