O Colegiado de Jornalismo em Multimeios, do Departamento de Ciências Humanas (DCH), da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), promove o minicurso de extensão “Tecnologias digitais, Jornalismo, Fake News e DeepFakes” a ser realizado nos meses de Julho e Agosto, às terças-feiras e quartas-feiras, das 19h às 21h. Com carga horária de 30 horas, a atividade de extensão é direcionada à professores, jornalistas, profissionais e estudantes da área da comunicação e interessados em compreender os fenômenos contemporâneos decorrentes das tecnologias digitais e o entendimento das implicações do uso de inteligência artificial, de ferramentas digitais e de como o uso de algoritmos impacta a produção, a distribuição e o consumo da notícia.

As inscrições podem ser realizadas até o dia  15 de Julho. Os interessados devem enviar e-mail paracolegiadodejornalsimodch3@gmail.com, informando nome completo, data de nascimento, número de documento de identificação e profissão. O curso inicia no dia 16 de Julho com prazo de conclusão até 28 de Agosto. 

 A proposta é a de analisar o significado das redes sociais a partir das diversas teorias (crítica, social e cultural) e de que maneira a arquitetura das redes facilita a emergência de fenômenos como as fake news e os deepfakes e suas consequências para o jornalismo como atividade mediadora entre os diversos agentes envolvidos na comunicação e informação.

 O curso é coordenado pela professora da graduação em Jornalismo da Uneb, Rosane Soares Santana, que é doutora em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia e bolsista do CNPq, pesquisadora de estudos em Comunicação e Política (CP-Redes-Póscom), do Centro de Estudos Avançados em Democracia Digital (CEADD-Facom) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT DD).

 Rosane Santana é autora da tese “Participação Política On-line e Off-line nas Eleições Presidenciais Brasileiras de 2014”, que recebeu Menção Honrosa do Prêmio Antônio Lavareda 2015, concedido pelo Grupo Opinião Pública da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto de Pesquisas Econômicas, Sociais e Políticas de Pernambuco (IPESP), pelo ineditismo metodológico no Brasil e contribuição à literatura brasileira sobre Internet, segundo afirmou o cientista político Antonio Lavareda.

Fonte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Please enter your name here